Publicações

Ampliar texto

Catálogo Exposição Nasci Errado e Estou Certo | José Antônio da Silva | 24/09/2009

A obra desse extraordinário pintor foi o ponto de partida para minha paixão pela arte popular, pela arte espontânea.
Nos anos 80, fui conhecê-lo. Ele morava no Cambuci, num apartamento cujas paredes eram forradas por seus quadros. Sem modéstia nenhuma, recebia as visitas dizendo que se considerava um grande artista: ele, Picasso e Van Gogh seriam os grandes pintores do mundo... Tudo era muito autêntico e verdadeiro e tinha muita graça, pois ele era um contador de casos inato e sabia que seu trabalho era bom mesmo. Já tinha sido reconhecido e sua carreira era bem-sucedida. Passei a visitá-lo de quando em quando e sempre saía da casa dele com um quadro embaixo do braço. Era puro encantamento!
Quando nos encontramos, Maria Eugênia e eu percebemos imediatamente que partilhávamos do mesmo sonho, do mesmo ideal.
“Sempre desejei abrir a minha coleção das obras do Silva, nascida do meu amor pela vida simples da zona rural paulista, a um público maior, principalmente o infantil, carente dessa experiência e desse conhecimento”, disse Maria Eugênia, que também chamou a atenção para a necessidade da preservação da memória da vida no campo.
A ela juntou-se seu filho Álvaro, colecionador de vasos de flores, um tema que o artista passou a fazer em determinado momento da sua vida e nunca mais parou. Generosamente puseram suas coleções à disposição para essa mostra, sem fins comerciais, além dos meios necessários para realizá-la.
Paulo pasta aceitou ser o curador, o que me deu grande alegria! Trata-se de um artista contemporâneo, com carreira consolidada, além de conhecer pintura profundamente.
Para o projeto educativo, nada usual em galerias de arte, o também artista plástico contemporâneo Claudio Cretti veio agregar ao time sua comprovada experiência nessa área.
Para fechar o grupo dos artistas contemporâneos interessados na produção artística espontânea, Germana Monte-Mór fez o layout e a produção gráfica de todo o material da exposição.
Dessa maneira, o Instituto do Imaginário do Povo Brasileiro – IIPB - continua, passo a passo, cumprindo sua missão, estabelecida quando de sua criação: divulgar a arte e a cultura da gente brasileira.

Vilma Eid




Galeria Estação
Instagram