A+ A-

Catálogo Leda Catunda/ Alcides | Onde estamos e para onde vamos | 14/06/2018

Leda Catunda e Alcides
A Galeria Estação já tem feito, com sucesso, parcerias com outras galerias e alguns dos seus artistas contemporâneos.
Desta vez nos unimos à galeria Fortes, D’Aloia & Gabriel para um diálogo entre a artista plástica Leda Catunda e o pintor Alcides, já falecido. A escolha foi da própria Leda, que, ao nos visitar, e entre vários artistas, fez por ele a sua opção.
A Leda, artista compromissada com o mundo contemporâneo, tem também uma linguagem que consigo reconhecer como próxima daquela dos artistas chamados populares. Faz uso das cores, dos elementos que tem à mão, com seriedade e bom humor. Eu não sabia muito bem o que apareceria desse diálogo, mas confiei. Quando ela me chamou para ir ao seu ateliê ver os trabalhos, exultei! Entrei e vi, imediatamente, a interação entre eles. Leda utiliza suportes variados, como sempre acontece no trabalho dela. Colagem, desenho, gravura.
Já Alcides, que conheci bem, usava o acrílico sobre tela. Convivemos muito a partir de 1999, quando ele deixou Mato Grosso para juntar-se a sua filha em São Paulo. Aqui, estranho em terra estranha, passou algum tempo pintando ainda sobre o Mato Grosso. Mas eu senti que a memória o traía e ele estava um pouco indeciso entre a temática de lá e a da sua nova cidade. Foi aos poucos se reafirmando e começou a pintar o que, talvez, mais o impressionara na cidade grande. Aviões, motos, caminhões, barcos, vez ou outra voltando ao tema das pastagens mato-grossenses.
Alcides faleceu em 2007, três dias depois da abertura de sua primeira individual na Estação, deixando uma obra vibrante e consistente.
O encontro desses dois criadores, portanto, só poderia resultar nesta bela mostra.
Estou muito entusiasmada!

Vilma Eid