Artista

Nhô Caboclo

Nhô Cabloco
Navio Negreiro
S/T

Ampliar texto

Biografia

Nhô Caboclo
[Manoel Fontoura]
1910, Águas Belas - PE / 1976, Recife - PE

Nascido provavelmente na primeira década do século, Nhô Caboclo é um artista de extraordinária importância, cuja obra exige com urgência um tratamento monográfico. Talvez integrasse de início a comunidade dos Fulniô, índios aculturados de Águas Belas, Pernambuco, mas fez sempre grande mistério sobre suas origens e filiação: “Não conheci ninguém, nasci só.” Mestiço, de aparência cafuza, cresceu numa fazenda em Garanhuns. Desde menino, fazia objetos de barro e dos mais inusitados materiais, como a barba-de-bode e mandioca linheira. Anos mais tarde, dá notícia de si em Caruaru, “tirando peça de barro com Vitalino”. Mas a sua grande produção foi feita à base de madeira e folha-de-flandres. Declarava as peças de barro “mortas”, porque “não se faz um lutador de espada de barro, não se faz uma engenhoca, engrenagem a vapor pra trabalhar no vento. Gosto de peça que bula, peça valente, peça braba. Peça manual”. Nhô Caboclo começou a fazer peças manuais, isto é, com movimento, quando “assonhava uma engrenagem ou ia ao cinema”. Sucessivamente flandieiro (funileiro), sapateiro, carpinteiro, ferreiro, Nhô Caboclo, segundo suas próprias palavras, povoou suas peças do caboclo Urubu (”um caboclo que nunca foi dominado”), do nego Tuim (”só tem dessa marca em Pedra do Buíque de Delmiro Gouveia”), dos caciques Jabu (”são das selvas”), de segundos-tenentes, cabos, sargentos, capitães, de caboclos quatro-braços (”tem deles no mato, no estrangeiro, tanto faz correr em pé como em quatro pés”).
“Tudo que eu faço tem história, história.”

Pequeno Dicionário do Povo Brasileiro, século XX | Lélia Coelho Frota – Aeroplano, 2005




Galeria Estação
Instagram