Artista

José Bezerra

José Bezerra
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Cotia
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Jacaré
Jacaré
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Carranca
Quexão
Tamanduá
Carranca
Sem título
Candu
Sem título
Coruja
Cabeça de leão
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Sem título
Tartaruga
Sem título
Sem título
Piongo
Sem título

Ampliar texto

Biografia

José Bezerra
1952, Buique - PE

José Bezerra nasceu em 1952 na cidade de Buíque, interior de Pernambuco, onde o sertão confina com o agreste. José foi lavrador, jóquei de carreiras improvisadas, trabalhador braçal, carreiro e tantas outras atividades a que a pobreza obriga. Matou bichos para comer, derrubou árvores para fazer lenha, coisas que hoje o infelicitam e que tenta expiar pela arte.
Há uns dez anos José teve um sonho em que era chamado a realizar os trabalhos que faz hoje em dia. Deveria tornar-se artista. A partir daí ele passou a olhar as madeiras que o cercavam e a intervir nelas. José não esculpe de forma tradicional, atuando sobre um bloco de madeira de modo a alcançar uma forma definida. Procura ver uma figura que já se insinua no lenho – em geral, umburana, seu tronco, galhos e raízes – e trazê-la à tona com a intervenção rude de um facão, grosa, formão e serrote.
Para ele, se trata de alcançar uma figura e simultaneamente manter seu vínculo com a madeira bruta de que partiu e com os instrumentos e gestos que nela agiram. Essa decisão confere a suas esculturas uma intensidade incomum. José trabalha em geral com toras retorcidas, típicas da vegetação do lugar, como é o caso da umburana. Esse aspecto irregular, unido aos poucos talhos que as conformam, produz um resultado notável.
A definição oscilante das figuras se une à tortuosidade da madeira, e essa relação faz com que percebamos formas que parecem lutar para emergir, em meio ao embate entre a matéria vegetal e a intervenção escultórica rude e parcimoniosa. Vem daí a expressividade singular de suas obras. Seus bichos, corpos e rostos não têm a doçura de grande parte da chamada arte popular, feita de afeto e familiaridade com os materiais.
Quando fala de sua arte, o artista enfatiza o papel da imaginação no que realiza. Assim, a importância que atribui ao ato de ver imagens em troncos e galhos que acha pelos arredores de seu sítio encontra na imaginação um elemento que afasta suas peças de um realismo singelo, de quem transpõe para as nuvens do céu os devaneios que lhe vão pela cabeça. Para José Bezerra, ver significa abrir a matéria natural, a madeira, para possibilidades que a afastem de uma identidade preguiçosa consigo mesma, bem como de um uso apenas instrumental.
A natureza que se depreende de suas obras tem uma vida intensa, uma energia inesgotável e atormentada. Ela lembra as descrições que Euclides da Cunha faz da região de Canudos, na primeira parte de Os sertões, “A terra”: “(...) árvores sem folhas, de galhos estorcidos e secos, revoltos, entrecruzados, apontando rijamente no espaço ou estirando-se flexuosos pelo solo, lembrando um bracejar imenso, de tortura, da flora agonizante...”.
Mas a expressividade angulosa de seus trabalhos advém da compreensão de que o próprio meio que contribuiu decisivamente para o surgimento de seu trabalho — a região do Vale do Catimbau e as atividades rurais que lá se desenvolvem — está prestes a ser posto abaixo pelas mudanças aceleradas nas relações econômicas do país. Além disso, estou convencido de que o escultor intui como poucos a extensão da tragédia que ronda todo o planeta, as ameaças que a natureza enfrenta em escala mundial. Como todo grande artista, José Bezerra vê longe e perto.

Rodrigo Naves

Fonte: Catálogo “José Bezerra | Esculturas”, da Galeria Estação, São Paulo | SP

Currículo

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS SELECIONADAS

2015 - José Bezerra | Esculturas, Galeria Estação, São Paulo | SP
2014 - Vivid Memories Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris – França
2014 - Quase figura, quase forma Galeria Estação , São Paulo | SP – Brasil
2013 – Mundos Cruzados: ARTE E IMAGINÁRIO POPULAR, MAM, Rio de Janeiro |RJ
2013 – José Bezerra | esculturas ,Centro Cultural Matarazzo, Presidente Prudente | SP
2013 – Mundos Cruzados: ARTE E IMAGINÁRIO POPULAR, MAM, Rio de Janeiro |RJ
2013 SP-Arte, Pavilhão da Bienal, São Paulo | SP
2012 - 2013 Janete Costa “Um Olhar”, Museu Janete Costa, Niterói | RJ
2012 Mix Max Brasil, Tropenmuseum junior, Amsterdan - Holanda
2012 Histoires de Voir, Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris | França
2012 Teimosia da Imaginação – dez artistas brasileiros, Paço Imperial, Rio de Janeiro | RJ
2012 Teimosia da Imaginação – dez artistas brasileiros, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo | SP
2011 SP-Arte, Pavilhão da Bienal, São Paulo | SP
2010 Exposição Puras Misturas, Pavilhão de Culturas Brasileiras, São Paulo | SP
2010 José Bezerra | Esculturas, Galeria Celma Albuquerque, Belo Horizonte | MG
2010 Bienal de Piracicaba, Piracicaba | SP
2010 Arte Brasileira: além do sistema, Galeria Estação, São Paulo | SP
2010 José Bezerra | Esculturas, Museu Paulo Setubal, Tatuí | SP
2010 José Bezerra | Esculturas, SESC Bauru, Bauru | SP
2010 José Bezerra | Esculturas, SESC São Carlos, São Carlos | SP
2010 José Bezerra | Esculturas, Galeria Celma Albuquerque, Belo Horizonte | MG
2010 José Bezerra | Esculturas, SESC, São Carlos | SP
2010 José Bezerra | Esculturas, SESC, Bauru | SP
2010 José Bezerra | Esculturas, Museu Paulo Setúbal, Tatuí | SP
2009 SP Arte, Pavilhão da Bienal, São Paulo | SP
2009 Feira Casa Brasil, Parque de Eventos Bento Gonçalves, Bento Gonçalves | RS
2009 Feira Art Madrid, Pabellón de Cristal, Madrid | Espanha
2009 José Bezerra | Esculturas Galeria Estação, São Paulo | SP
2009 José Bezerra | Esculturas, Galeria Estação, São Paulo | SP
2008 18º Mostra Artefacto, Artefacto espaço Mario Santos, São Paulo | SP
2008 Exposição Imaginário do Povo Brasileiro, Restaurante Antiquarius, São Paulo | SP
2007 Do tamanho do Brasil, SESC Paulista, São Paulo | SP

PUBLICAÇÕES SELECIONADAS

2013 José Bezerra | Esculturas – catálogo da exposição no Centro Cultural Matarazzo - Brasil
2012 Janete Costa Um Olhar, Museu Janete Costa, Niterói | RJ
2012 Histoires de Voir, Fondation Cartier Pour l’art contemporain, Editora Própria – França
2012 Teimosia da Imaginação – dez artistas brasileiros, Editora Martins Fontes – Brasil
2010 José Bezerra| Esculturas – catálogo da exposição na Galeria Estação – Brasil
2010 José Bezerra| Esculturas – catálogo da exposição na Galeria Celma Albuquerque – Brasil
2010 Arte Brasileira além do sistema – catálogo da exposição na Galeria Estação - Brasil
2010 Pavilhão das Culturas Brasileiras: Puras Misturas, Editora Terceiro Nome – Brasil
2006 Pernambuco feito à mão, Editora Sebrae Pernambuco - Brasil

COLEÇÕES PÚBLICAS / INSTITUCIONAIS

Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris – França
Fundação José e Paulina Nemirovsky, São Paulo - Brasil
MAM – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro |RJ – Brasil
MAR - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro |RJ – Brasil
Museu AfroBrasil , São Paulo | SP - Brasil
Pavilhão das Culturas Brasileiras, São Paulo | SP – Brasil
Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo | SP – Brasil
SESC São Carlos| SP – Brasil
SESC - Belenzinho, São Paulo | SP – Brasil
Tropenmuseum junior, Amsterdan – Holanda

Imprensa

Jornal Estado de Minas

Abrir




Galeria Estação
Instagram